Adultos

Lição 3 - A mordomia da alma e do espírito V

SUPERINTENDENCIA DAS EBD'S DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM PERNAMBUCO

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

TERCEIRO TRIMESTRE DE 2019

Adultos - TEMPO, BENS E TALENTOS: sendo um mordomo fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado

COMENTARISTA: ELINALDO RENOVATO DE LIMA

COMENTÁRIO: SUPERINTENDÊNCIA DAS EBD'S DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM PERNAMBUCO

 

LIÇÃO Nº 3 – A MORDOMIA DA ALMA E DO ESPÍRITO

INTRODUÇÃO

Nesta lição estudaremos sobre o cuidado que se deve ter com a alma e o espírito dentro da mordomia cristã; destacaremos a natureza tricotômica na constituição do ser humano; pontuaremos também a distinção entre a alma e o espírito à luz das Escrituras; e por fim, ressaltaremos o que a Bíblia ensina sobre o destino da alma e do espírito.

I – A NATUREZA TRICOTÔMICA DO SER HUMANO

À luz das Escrituras, entendemos que o ser humano é constituído de três partes, uma material e duas imateriais (1Ts 5.23; Hb 4.12), essa doutrina é chamada de tricotomia ou seja, o homem tem uma constituição tríplice. Vejamos:

1.1 Corpo. O corpo é o invólucro do espírito e da alma (Gn 35.18; Dn 7.15), a parte física da constituição humana, o homem exterior, que se corrompe, ou seja, envelhece e é mortal (2Co 4.16; 1Pd 1.24). Rejeitamos a ideia de ser o corpo a prisão da alma e do espírito ou de ser inerentemente mau e insignificante, pois como crentes, ele é templo do Espírito Santo (1Co 3.16,17; 6.19). A importância do corpo também pode ser vista no fato de que Deus o ressuscitará conforme o seu soberano cronograma escatológico (1Co 15.42).

1.2 Alma.

A expressão alma em hebraico é: “néfesh”, ocorre por 754 vezes no AT. Conforme Gn 2.7 deixa claro, seu significado primário é “possuidora da vida”. Biblicamente entende-se que a alma é: a sede do apetite físico (Nm 21.5), das emoções (Sl 86.4), dos desejos tanto bons quanto ruins (Ec 6.2; Pv 21.10), das paixões (Jó 30.25), do intelecto (Sl 139.4), é o centro afetivo (Ct 1.7), volitivo (Jó 7.15) e, moral (Gn 49.6) da vida humana (SILVA (Org), 2017, p. 80 – grifo nosso). A palavra alma é um termo que está no grupo de palavras conhecidas como polissêmicas, ou seja, uma mesma palavra que possui vários significados de acordo com o contexto em que ela aparece. Por esse motivo é aplicada frequentemente a: (a) animais (Gn 1.20,24,30; 9.12,15,16; Ez 47.9), (b) o sangue como algo que é essencial à existência física (Gn 9.4; Lv 17.10-14; Dt 12.22-24) (c) a sede do apetite físico (Nm 21.5; Dt 12.15,20,21; 23.24; Jó 33.20; Sl 78.18; 107.18; Ec 2.24; Mq 7.1); (d) origem das emoções (Jó 30.25; Sl 86. 4; 107.26; Ct 1.7; Is 1.14); (e) associada com a vontade e com a ação moral (Gn 49.6; Dt 4.29; Jó 7.15; Sl 24.4; 25.1; 119.129,167), (f) um indivíduo ou pessoa (Lv 7.21; 17.12; Ez 18.4), ou então é usada com um sufixo pronominal para denotar o próprio “eu” (Jz 16.16; Sl 120.6; Ez 4.14) (DOUGLAS, 2007, p. 39). No NT o termo equivalente é: “psiché” possuindo o mesmo significado e características (Ef 6.6; Fp 1.27; Cl 3.23; Rm 11.3; 16.4; 1Co 15.45; 2Co 1.23; Fp 2.30; 1Ts 2.8), se referindo a parte imaterial do ser humano, sendo ela tanto cognitiva quanto emotiva, podendo tanto relacionar-se com o sagrado (Rm 7.25), quanto com as impurezas do pecado (Rm 8.7 – ARA) (BRUNELLI, 2016, p. 52 – acréscimo nosso).

1.3 Espírito. Cerca de 400 vezes o AT usa a palavra: “ruah”, que é derivada de um verbo que significa: “respirar” ou “soprar”. O substantivo pode ser traduzido como: “sopro” (Sl 18.15), “vento" (Gn 8.1) ou “espirito”. No NT a palavra grega “pneuma”, ligada ao verbo que quer dizer: “soprar” ou “respirar”, pode significar: “sopro” (2Ts 2.8), ou “vento” (Jo 3.8), porém mais frequentemente como “espírito”, associado a Deus ou ao homem ou a outros seres espirituais (TENNEY, 2008, p. 534). Sobre o espírito como sendo a parte imaterial do homem a Bíblia no diz que: (a) o espírito do homem é despertado (Ed 1.1,5) ou perturbado (Gn 41.8); (b) ele se alegra (Lc 1.47) ou é quebrantado (Êx 6.9); (d) prontifica-se (Mt 26.41) ou é endurecido (Dt 2.30), (e) o homem pode ser paciente em espírito (Ec 7.8), soberbo ou humilde de espírito (Mt 5.3), (f) há necessidade de ter autodomínio (Pv 25.28) e, (g) é por meio dele que se adora ao Senhor (Jo 4.23,24) é o centro da devoção a Deus (1Co 14.15).

II – A DISTINÇÃO ENTRE ALMA E ESPÍRITO

O significado e características entre a alma e espírito são bem parecidos, devido a essa similaridade alguns são levados a confundir as duas substâncias. Em geral os escritores bíblicos, especialmente os do AT, não se preocuparam em distinguir o espírito da alma; esta distinção hoje conhecida, ocorre pela revelação progressiva de Deus no NT. Sobre a distinção entre alma e espírito assim afirma Andrade (2006, p. 40 – grifo nosso): “O homem é composto por uma parte material e outra imaterial. Quando esta encontra-se em relação com Deus, recebe a designação de espírito; e, quando em relação com o mundo físico, a alma. Quando as palavras são distinguidas em significados, a alma olha para a terra, o espírito, para o céu. A alma é o homem em seus relacionamentos espirituais e imortais. Todavia, os dois não podem ser separados, mas constituem juntos o ser imaterial do homem”. O Pr. Eurico Bergstén (2007, p. 130) lembra que: “A alma é a parte que orienta a vida do corpo e estabelece o contato com o mundo em redor, enquanto o espírito é a parte do homem que lhe oferece a possibilidade de relacionamento com Deus”. Sendo destacando que: “apesar da similaridade entre a alma e o espírito, eles são distintos entre si, porém inseparáveis; são os dois lados da substância não física do ser humano, o homem interior” (Ef 3.16; 2Co 4.16; 1Ts 5.23; Hb 4.12) (SILVA (Org), 2017, p. 79 – grifo nosso).

III – A MORDOMIA DA ALMA E DO ESPÍRITO

A respeito da mordomia da alma e do espírito o apóstolo Paulo adverte: “[…] e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Ts 5.23). Paulo destaca a responsabilidade que devemos ter, em cuidar também da parte imaterial do nosso ser, ao usar o termo “conservados”, em grego a palavra é: “têreo” que quer dizer: “atender cuidadosamente, tomar conta de, guardar, manter, reservar”, apontando para a atitude pessoal do crente quanto ao cuidado da parte espiritual. Vejamos como:

3.1 Priorizando as necessidades da alma. Assim como o corpo tem necessidades, a alma também. A alma tem sede de Deus (Sl 42.1; 63.1). Jesus advertiu quanto a preocupação exagerada com as coisas materiais em detrimento da alma, dizendo: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” (Mt 16.26). Aos que ignoram esta verdade serão surpreendidos como foi o rico insensato: “[…] Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” (Lc 12.20). Sendo assim, devemos priorizar as necessidades da alma: “Pois a vida (psiché) é mais do que o alimento [...]” (Lc 12.23).

3.2 Conservando a alma saudável. Uma vez que na alma está a sede das emoções do ser humano é de suma importância que ela seja mantida com saúde. O cristão cuidadoso, sabendo que partes tão importantes da sua vida estão centradas na alma, aprende a administrar bem seus sentimentos e emoções a fim de não se deixar levar por impulsos descontrolados (Hb 12.15; Gl 5.18-23), crendo e submetendo-se a Palavra de Deus (Hb 10.39; Fp 4.6; Pv 19.16).

3.3 Purificando-se das impurezas do espírito. A Declaração de Fé das AD (2017, p. 101 – grifo nosso) nos diz: “A corrupção do gênero humano atingiu o homem em toda a sua composição: corpo (Rm 8.10), alma (Rm 2.9) e espírito (2 Co 7.1). Por essa razão o apóstolo exorta: “[…] purifiquemo-nos de toda imundícia da carne e do espírito [...]” (2Co 7.1). A impureza da carne inclui todas as formas de impurezas físicas, enquanto a impureza do espírito cobre as impurezas interiores da vida, motivações, desejos e pensamentos. As palavras carne e espírito não são usadas aqui no sentido técnico que Paulo faz dos princípios éticos opostos (Rm 8.1-11; Gl 5.16-24), mas na maneira popular da época, para abranger todas as facetas da existência de um homem (2Co 2.13; 7.5; 1Co 7.34; 1Ts 5.23). Todos os atos e atitudes que possam comprometer a singularidade da devoção deles à vontade de Deus devem ser completamente evitados (BEACON, 2006, p.442).

IV – O DESTINO DA ALMA E DO ESPÍRITO

Ao contrário do que muita gente pensa, a vida não termina na sepultura. Pelo contrário, após a morte, todos os seres humanos vão para o estado intermediário aguardar a ressurreição, para serem conduzidos ao seu destino eterno. Vejamos:

4.1 Lugar de tomento para os ímpios. A respeito dos ímpios após a morte, a Bíblia assevera que irão ao lugar de tormentos onde aguardarão a ressurreição para o julgamento final (Lc 16.22,23; Ap 20.11,12). Apesar de alguns que pregam a aniquilação dos que morreram, a Bíblia afirma porém, que nem a alma nem o espírito são aniquilados (Mt 10.28; 1Pd 3.4). Também não é bíblica a doutrina que ensina que os que morrem tornam-se insconsientes, uma espécie de sono eterno. É fato que a Bíblia denomina de maneira metafórica a morte física como um sono (1Co 15.51; 1Ts 4.13). No entanto, ela também nos ensina que, quem “dorme” é o corpo, e não a alma e o espírito (Lc 16.20-25; Ap 6.9-11) . Logo, embora o corpo entre na sepultura, o espírito e a alma que se separou do corpo entra no Sheol, onde vive em estado completamente consciente (Is 14.9-11; Sl 16.10; Lc 16.23; 23.43; 2Co 5.8; Fp 1.23; Ap 6.9) (PEARLMAN, 2006, p. 297 – acréscimo nosso). O destino dos ímpios é estar eternamente separados de Deus e sofrer eternamente o castigo que se chama a segunda morte (Sl 9.17; Ap 2.11; 20.10; 21.8).

4.2 Lugar de descanso para os salvos. A Bíblia afirma que para Deus a morte dos santos é preciosa (Sl 116.15), visto que estes ao morrerem vão para o Paraíso lugar onde gozarão descanso (Lc 23.43; 2Co 5.8; Ap 14.13), consolação e felicidade (Lc 16.23,25). Por ocasião do Arrebatamento da Igreja, os justos que já morreram hão de ressuscitar, e se unirão aos vivos, que serão arrebatados (1Co 15.51-53; 1Ts 4.13-18). Eles serão conduzidos ao céu, onde participarão do Tribunal de Cristo (Rm 10.14; 2Co 5.10; Ap 22.12) e da celebração das Bodas do Cordeiro (Ap 19.7-9). Depois, voltarão com Jesus à Terra, para participarem do Milênio (Ap 19.11-14; 20.1-6). Após o Milênio, habitarão na Nova Jerusalém (Ap 21,22), onde estarão, por toda eternidade, na presença do Deus Trino (Jo 14.1-3; 2Co 5.8; Fp 1.23; Ap 21.3); e estarão livres de todo sofrimento, pois, ali não haverá mais morte, nem clamor, nem dor (Ap 21.4); nem coisa alguma que contamine (Ap 21.8,27; 22.15).

CONCLUSÃO

A mordomia da alma e do espírito deve ser observada criteriosamente, uma vez que Deus pedirá contas desta administração e as sua implicações tem consequências eternas.

REFERÊNCIAS

 ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário Teológico. CPAD.

 BERGSTÉN, Eurico. Teologia Sistemática. CPAD.

 BRUNELLI, Walter. Teologia para pentecostais. Vol 3. ACADÊMICO.

 HOWARD, R.E, et al. Comentário Bíblico Beacon. CPAD.

 PEARLMAN, Myer. Conhecendo as Doutrinas da Bíblia. VIDA.

 SILVA, E. S. da. Declaração de Fé das Assembleias de Deus. CPAD.

 TENNEY, Merril C. Enciclopédia da Bíblia. Vol 2. EDITORA CULTURA CRISTÃ.

COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL (FORNECIMENTO DO MATERIAL) - PROF. PAULO AVELINO

 

Quer continuar lendo? Para continuar lendo este artigo baixe os anexos nos links abaixo.Bons estudos.
Copyright © 2003 - 2019 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.