Jovens

Lição 12 - As cidades de refúgio são estabelecidas III

IGREJA CRUZADA CRISTÃ PENTECOSTAL - SANTA MARIA DA VITÓRIA/BA

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

SEGUNDO TRIMESTRE DE 2020

Jovens: : TEMPO DE CONQUISTAS: fé e obediência no livro de Josué

COMENTARISTA: REYNALDO ODILO

COMENTÁRIO: EV.ANDRESON CÔRTE FERREIRA

LIÇÃO Nº 12 - AS CIDADES DE REFÚGIO SÃO ESTABELECIDAS

A presente lição tem como Síntese: Assim como as cidades de refúgio de Israel, Jesus é o nosso abrigo em todas as circunstâncias da vida.

E como objetivos:

Mostrar porque Deus ordenou estabelecer as cidades de refúgio;

Entender o porquê da demora na concessão da herança dos levitas e a fidelidade de Deus;

E, analisar como aconteceu a despedida das tribos transjordânicas e quais as suas consequências.

Já sobre o texto do dia pode compreender que:

Refúgio e fortaleza pode ser reformulado como defesa impenetrável. Os Salmos usam muito a imagem de uma fortaleza para descrever Deus. No antigo Oriente Médio, as cidades eram construídas em lugares altos, com altas muralhas, para sua defesa. Ainda assim, não havia cidade ou estrutura defensiva impenetrável. O salmista fala aqui, no entanto, daquele que é o nosso porto inteiramente seguro (RADMACHER; ALLEN; HOUSE, 2013, p. 864).

I – DEUS ORDENA ESTABECER CIDADES DE REFÚGIO

O homicídio doloso é quando atos são desenvolvidos com o propósito ou intenção de matar. Já o homicídio culposo é quando não há intenção de matar, ou seja, atos que foram desenvolvidos sem o propósito de tirar a vida do outro.

Portanto, pela Lei o homicida doloso deveria morrer. Enquanto, o homicida culposo teria duas saídas: iria para uma cidade de refúgio, ou agarraria nas pontas do altar, para não ser condenado.

As cidades de refúgio foram estabelecidas para outorgar abrigo àqueles que mataram sem intenção. A provisão divina das cidades de refúgio impunha limite às ações pessoais de vingança. Também eram cidades distribuídas de forma que facilitasse a chegada à cidade, foram desenvolvidas para que ninguém demorasse mais de um dia para repousar na cidade de refúgio.

Entre as 48 cidades dadas aos levitas em Israel, seis, por ordem de Deus, foram indicadas como cidades de refúgio, ou asilo, para o “homicida” (Nm 35.6,7) (Dicionário Bíblico Wycliffe, 2018, p. 417).

II – OS LEVITAS EXIGEM SUA HERANÇA

O capítulo 21 do livro de Josué trata-se da exigência dos levitas no que correspondia à parte na herança.

Os três primeiros versículos relatam que os levitas foram até Josué para requererem a parte deles.

Já os versículos 4 – 8 descrevem que as cidades levíticas foram definidas por sorte. A palavra sorte aparece cinco vezes nestes versículos, mas este era o método direto utilizado por Deus para escolher as cidades. Deus estava no controle de cada aspecto do processo de herança (RADMACHER; ALLEN; HOUSE, 2013, p. 394).

No que corresponde aos versículos 9 – 42, a descrição narrativa bíblica mostra como ficou estabelecida a distribuição das cidades, lembrando que algumas cidades ainda não estavam sobre o controle da nação de Israel. É amplamente citada a palavra arrabaldes que corresponde com terras que cercavam cada cidade que tinham como objetivo a criação de animais (Js 21.2).

III – JOSUÉ ABENÇOA OS RUBENITAS, OS GADITAS E A MEIA TRIBO DE MANASSÉS

O presente tópico permite a aplicabilidade do contexto histórico à vida prática dos cristãos na atualidade com as seguintes conclusões:

Os propósitos de Deus sempre se concretizarão. Fato que permite compreender que Deus está no controle de todas as coisas.

Obediência é o segredo para alcançar a concretização das promessas de Deus. Verdade que é ratificada no versículo 5 do capítulo 22, que outorga como aprendizagem:

[...] As palavras refletem o chamado de fidelidade em Deuteronômio 4.29; 6.5; 10.12,13; 11.13. Os verbos nestes versículos proporcionam uma completa ilustração do que uma relação adequada com Deus inclui: amar o Senhor, andar em todos os Seus caminhos, guardar os Seus mandamentos, achegar-se a Ele, e servi-lo. Esta é a essência do primeiro e grande mandamento, amar a Deus plenamente (Dt 6.5; Mt 22.37). Amar Deus é muito mais do que uma afirmação ou um sentimento; é obediência, lealdade e culto a Ele acima de qualquer coisa (RADMACHER; ALLEN; HOUSE, 2013, p. 396). Deus ama a unidade. As três tribos ao retornarem para suas terras, edificaram um altar que em primeiro momento causou estranheza por parte das demais tribos, porém ao explicar que não se tratava de um altar de sacrifício, mas sim, um memorial, as demais tribos reconheceram a atitude como ação benéfica. Tal ocorrência ensina a necessidade da comunicação entre a comunidade cristã.

Referência:

Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD 2018.

RADMACHER, Earl D. ALLEN, Ronaldo B. HOUSE, H. Wayne. O Novo comentário Bíblico Velho Testamento. Rio de Janeiro: Editora Central Gospel, 2013.

http://andresoncorte.blogspot.com/2020/06/subsidio-para-as-licoes-biblicas-jovens_17.html Acesso em 18 jun. 2020

Copyright © 2003 - 2020 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.