Jovens

Lição 11 - Uma herança conquistada pela fé III

IGREJA CRUZADA CRISTÃ PENTECOSTAL - SANTA MARIA DA VITÓRIA/BA

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

SEGUNDO TRIMESTRE DE 2020

Jovens: : TEMPO DE CONQUISTAS: fé e obediência no livro de Josué

COMENTARISTA: REYNALDO ODILO

COMENTÁRIO: EV. ANDRESON CÔRTE FERREIRA

LIÇÃO Nº 11 - UMA HERANÇA CONQUISTADA PELA FÉ

A presente lição tem como Síntese: Deus sabe como recompensar a fidelidade de seus servos.

E como objetivos:

Demonstrar como aconteceu a divisão das terras ao Sul de Canaã;

Explicar como aconteceu a divisão das terras ao Norte de Canaã;

E, dissertar como aconteceu a divisão das terras ainda não conquistadas.

Já sobre o texto do dia pode compreender que:

A confissão da nossa esperança é o testemunho da expectativa confiante do crente em relação ao seu futuro. Prometeu, aqui, pode referir-se à promessa de Deus de entrarmos em Seu repouso (Hb 4.1) (RADMACHER; ALLEN; HOUSE, 2013, p. 657).

I – A DIVISÃO DO SUL DE CANAÃ (13-15)

O destaque do primeiro subponto corresponde à liderança, principalmente no que corresponde ao saber de quando iniciar e de quando finalizar uma atividade. Sobre liderança compreende-se que é o ato de conduzir pessoas. Condução consciente, planejada e no caso do líder cristão, liderança dependente de Deus. O bom líder motiva, ensina e proporciona conquistas. Josué motivou pela liderança depende de Deus ao povo de Israel em conquistar a terra prometida, ensinou pelo exemplo ao povo israelita em servir ao Senhor. Por fim, os atos de motivar e ensinar proporcionou a conquista da terra prometida pelo povo de Deus.

Já o segundo subponto proporcionar a compreensão para com a herança de Josué de Calebe, tendo como foco primordial entender que mesmo na velhice aquele que serviu ao Senhor em sua juventude não será esquecido.

II – A DIVISÃO DO NORTE DE CANAÃ (16-17)

No presente tópico conclui-se que os filhos de José foram abençoados pela atitude deste patriarca, assim como também caracteriza que as tribos de Efraim e Manassés preferiram aceitar os problemas, exemplo clássico, não expulsaram os cananeus.

A aplicação que poderá ser compreendida da ação das tribos em aceitar os problemas se caracteriza em sofrer por más atitudes. O termo atitude no contexto administrativo poderá ser definido em saber fazer acontecer. Saber fazer acontecer o certo e não praticar atos que proporcione derrotas e dissabores.

O presente tópico ainda permite estender o estudo para com os galardões que serão por Deus outorgado aos que praticaram obras de ouro, prata e pedras preciosas. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha... Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo (1 Co 3.12, 14,15).

As obras a serem julgadas serão divididas em dois grupos: obras que não perecerão e as obras que perecerão.

Obras que não perecerão correspondem com as obras de ouro, prata e pedras preciosas.

Obras comparadas ao ouro correspondem com as obras realizadas pelos crentes para a glória de Deus. Indica também que estas obras foram realizadas em parceria com Deus, ou seja, em comunhão com Deus.

Para Lima: “Se tratamos os irmão e os outros com o amor de Deus, isso é comparado a ouro” (2015, p. 69).

Já as obras de prata correspondem com as obras desenvolvidas com a intenção básica a redenção das pessoas, ou seja, correspondem com atitudes voltadas para a pregação do Evangelho aos pecadores.

Sobre as obras de prata acrescenta Lima:

O crente que ganha almas, que prega a Palavra, que dá bom testemunho da sua fé em Jesus, está realizando obras de prata. Os obreiros do Senhor que cuidam bem do rebanho realizam obras de prata. Visitar os enfermos, os carentes, evangelizar, podem ser obras de prata (2015, p. 69).

Por fim, as obras comparadas a pedras preciosas correspondem com as obras desenvolvidas pelo poder do Espírito Santo na vida do cristão. Diretamente se associa com as obras desenvolvidas com o auxilio do Espírito Santo em outorgar ao crente os dons espirituais.

Para Lima: “São obras na unção do Espírito Santo. Evangelizar, pregar, cantar na unção, podem ser pedras preciosas.” (2015, p. 69).

Obras que perecerão correspondem com as obras de madeira, feno e palha.

As obras comparadas a madeira são comparadas às obras desenvolvidas pelas pessoas sem a intenção plena de fazerem para a glória de Deus.

Já as de feno correspondem com as atividades desenvolvidas com o interesse próprio, isto é, com o intuito da fama.

E por fim, as de palha indicam atividades desenvolvidas por pessoas inconstantes, isto é, obras sem firmeza da pessoa que a desenvolve.

O texto (1 Co 3.15) fala sobre o elemento fogo. O fogo aqui não corresponde com condenação, mas com avaliação das obras desenvolvidas pelos cristãos.

O fogo prova a qualidade do ouro, mas consome a madeira, o feno e o restolho. Algumas boas obras, na verdade, consistem em uma busca por reconhecimento. O verdadeiro valor desse serviço ficará óbvio para todos no dia do Juízo de Deus (RADMACHER; ALLEN;HOUSE, 2013, p.416).

III – A DIVISÃO DAS TERRAS NÃO CONQUISTADAS (18,19)

O período de Josué na direção do povo no que abrange ao contexto das conquistas, historicamente é considerado um período curto por abranger apenas seis anos, e indica que nestes anos nem todo o território foi conquistado (Js 13.1), ou seja, muita terra ficou para ser possuída pelos israelitas.

Referência:

LIMA, Elinaldo Renovato de. O Final de todas as coisas esperança e glória para os salvos. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.

RADMACHER, Earl D. ALLEN, Ronaldo B. HOUSE, H. Wayne. O Novo comentário Bíblico Novo Testamento. Rio de Janeiro: Editora Central Gospel, 2013.

Fonte: http://andresoncorte.blogspot.com/2020/06/subsidio-para-as-licoes-biblicas-jovens.html Acesso em 15 jun. 2020

Copyright © 2003 - 2020 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.