Adultos

Lição 1 - A pessoa do Espírito Santo V

SUPERINTENDENCIA DAS EBD'S DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM PERNAMBUCO

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2021

Adultos - O VERDADEIRO PENTECOSTALISMO: a atualidade da doutrina bíblica da atuação do Espírito Santo

COMENTARISTA: ESEQUIAS SOARES DA SILVA

COMENTÁRIO: SUPERINTENDÊNCIA DAS EBD'S DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM PERNAMBUCO

 

LIÇÃO 1 - A PESSOA DO ESPÍRITO SANTO

INTRODUÇÃO

Nesta lição veremos de maneira introdutória a doutrina da Pneumatologia; estudaremos sobre a interrelação do Espírito Santo com as pessoas da Trindade; notaremos o Espírito Santo como um ser pessoal e divino; pontuaremos quais pecados podem ser cometidos contra o Espírito Santo; e por fim, analisaremos a possibilidade da adoração ao Paracleto Divino.

I – PNEUMATOLOGIA: O ESTUDO SOBRE O ESPÍRITO SANTO

1.1 A doutrina do Espírito Santo. Na Teologia, a doutrina do Espírito Santo é conhecida como “Pneumatologia”. O termo vem de “pneuma” (ar, vento, espírito), cognato do verbo “pnéo” (respirar, soprar) ou conhecida também como: “Pneumagiologia”. Já este termo procede da junção de três palavras gregas: “pneuma” (espírito), “hagios” (santo) e “logia” (estudo). Porém, o termo preferido dos estudiosos da Bíblia é “Paracletologia”. A palavra, “parákletos” encontrada apenas no evangelho e na epístola de João (Jo 14.16,26; 15.26; 16.7; 1Jo 2.1), procede de duas palavras gregas: “pará” (para o lado de), e “kaléo” (chamar) que significa: “alguém que é chamado para estar ao lado de outro para ajudá-lo como um advogado” (SILVA, 1996, p.11). “O Espírito Santo é a pessoa específica da Trindade que mais atua em nós” (SOARES, 2020, p. 14).

II - O ESPÍRITO SANTO E A INTERRELAÇÃO COM AS PESSOAS DA TRINDADE

O nome Espírito Santo vem do hebraico “ruah kadosh” e do grego “pneuma hagios”. Ele é Deus, igual com o Pai e o Filho, e formam uma só divindade, pois eles são “allos” palavra grega que denota “da mesma natureza, da mesma espécie e da mesma qualidade”; diferente de “heteros” que denota “ser de espécie diferente”. Ao chamar o Espírito Santo de “allon parakleton”, Jesus afirmou que tudo quanto pode ser afirmado a respeito de sua natureza pode ser dito do Espírito (HORTON, 2006, p. 2006).

2.1 O Espírito Santo e a doutrina da Trindade. As Escrituras ensinam que Deus é um (Dt 4.35; 6.4; Is 37.16), contudo, a unidade divina é uma unidade composta de três pessoas, que são: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo (Mt 28.19; 1 Co 12.4-6), que cooperam unidos em um mesmo propósito, onde não existe nenhum tipo de hierarquia ou superioridade entre eles; não se tratando também de três deuses (triteísmo) e nem três modos ou máscaras de manifestações divinas (unicismo), antes, são três pessoas, mas um só Deus (Jo 10.30). Deus é uno em essência ou substância, indivisível em natureza e que subsiste eternamente em três pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, iguais em poder, glória e majestade e distintas em função, manifestação e aspecto [...] Uma só essência, substância, em três pessoas [...] as três pessoas associadas em unidade e igualdade (SOARES Org, 2017, p. 39,40 - grifo nosso). Cremos que a doutrina da santíssima Trindade é uma verdade bíblica, conforme definida no Credo de Atanásio: “A fé universal é esta: que adoremos um Deus em trindade, e trindade em unidade; não confundimos as Pessoas, nem separamos a substância”. O relacionamento do Espírito Santo com o Pai e com o Filho revela a sua divindade e a sua consubstancialidade com Eles. Há um só Deus que subsiste em três pessoas distintas (Mt 28.19, 1Co 12.4-6; 2Co 13.13; Ef 4.4-6; 1Pe 1.2) (SOARES Org, 2017, pp. 41,42).

2.2 O Espírito Santo e a doutrina Pericorese. Pericoresis vem de três termos grego: “peri” = “periferia”, “coré” = “coreografia ou dança” e “esis” = “expressa uma ação”. Pericoresis é a união íntima intratrinitariana entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo, ou seja, é a habitação das Pessoas da Trindade uma na outra. É uma dança eterna, harmônica e perfeita das três pessoas da Santíssima Trindade”. O termo se refere à mútua e íntima interpenetração das três pessoas da Trindade (Jo 10.30; 14.10,16,17,20,23; 17.5,21; 2Co 2.10,11) (SOARES, 2020, p. 24). Há uma absoluta igualdade dentro da Trindade, e nenhuma das três Pessoas está sujeita, por natureza, à outra, como se houvesse uma hierarquia divina [...]. A subordinação do Filho não compromete a sua deidade absoluta e, da mesma forma, a subordinação do Espírito Santo ao ministério do Filho e ao Pai não é sinônimo de inferioridade (SOARES, Org, 2017, pp. 41,42 - grifo nosso). A tradição teológica tem interpretado esta coabitação entre as pessoas da Trindade como “interpenetrados” onde o Pai, o Filho e o Espírito Santo não apenas envolvem um ao outro, mas eles também entram um no outro, permeando-se entre si, e habitam um no outro (SOARES, 2017, pp. 77,78). As três Pessoas são iguais e não há entre elas primeiro e último. Existem diversos textos em que o Espírito Santo é citado na Trindade como a primeira pessoa (Is 61.1; 1Co 12.4-6; Ef 4.4-6); como a segunda pessoa (Mt 3.16,17; 1Co 12.12,13; 1Pd 1.2); e como a terceira pessoa (Mt 28.19; At 10.38; 2Co 13.13; Mt 10.20; Rm 8.9; 1Co 2.11,12; Gl 4.6). “Logo, o Espírito Santo é da mesma substância, da mesma espécie, de mesmo poder e glória do Pai e do Filho” (SOARES Org, 2017, p. 67 – grifo nosso).

III - O ESPÍRITO SANTO COMO UM SER PESSOAL

Uma pessoa é um ser consciente, com arbítrio próprio e, por isso, partindo do princípio que apresenta plena capacidade mental, é responsável pelos seus atos. A Bíblia ensina que o Espírito Santo é uma pessoa, pois possui características pessoais: sentimento (emoção), intelecto (inteligência) e vontade (arbítrio). A Bíblia mostra o Espírito Santo como uma pessoa porque Ele:

IV - O ESPÍRITO SANTO COMO UM SER DIVINO

A asseidade serve para designar “o atributo divino segundo o qual um ser existe por si mesmo e não precisa de outro para existir”. Assim como o Pai e o Filho, o Espírito Santo é autoexistente. Ou seja: ele não depende de nada fora de si para existir. Ele sempre existiu; é um ser incausado: “[…] pelo Espírito eterno” (Hb 9.14). Em toda a Bíblia, podemos ver claramente que o Espírito Santo é Deus (BERGSTÉN, 1999, p. 97). Vejamos alguns atributos divinos do Espírito Santo:

V - PECADOS CONTRA O ESPÍRITO SANTO

Além da blasfêmia contra o Espírito Santo, considerado o mais grave dos pecados, há outras ofensas. Vejamos:

5.1 Resistir ao Espírito Santo (At 7.51). Este foi o pecado que caracterizou os filhos de Israel quer no Antigo, quer no Novo Testamento. O que significa resistir ao Espírito Santo? Significa opor-se, consciente e premeditadamente, contra a ação regeneradora e santificadora do Espírito: “[...] vós sempre resistir ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais”.

5.2 Entristecer o Espírito Santo (Is 63.10; Ef 4.30). Entristecer o Espírito Santo é opor-se a Ele; é ignorar-lhe a vontade e adotar o mundanismo como norma de vida. Aos irmãos de Éfeso, exorta Paulo: “E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o Dia da redenção” (Ef 4.30).

5.3 Blasfemar contra o Espírito Santo (Mt 12.32; Hb 10.29). Os fariseus diziam grosseiramente, que Jesus expulsava os demônios com o poder de Belzebu. A advertência que lhes dirigiu o Senhor foi mais do que enérgica; foi sentencial: “Portanto, eu vos digo: todo pecado e blasfêmia se perdoará aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens” (Mt 12.31). A explicação do sumo sacerdote, Eli, ao repreender os seus filhos profanos: “Pecando homem contra homem, os juízes o julgarão; pecando, porém, o homem contra o SENHOR, quem rogará por ele?” (1Sm 2.25).

VI – A ADORAÇÃO AO ESPÍRITO SANTO

A Declaração de Fé das Assembleias de Deus cita o Credo Niceno-Constantinopolitano ao afirmar a adoração ao Espírito Santo: “Cremos no Espírito Santo, o Senhor e vivificador, o que procede do Pai e do Filho, o que juntamente com o Pai e o Filho é adorado e glorificado” (apud SOARES Org, 2017, p. 70 - grifo nosso). “O Espírito Santo é objeto de nossa fé, oração e adoração” (SOARES, 63ª EBO- IEADPE, 2019, p. 51). O Espírito Santo não é apenas objeto de nossa fé, mas também de nossa oração e adoração (HORTON, 1996, p. 177 – grifo nosso). “Sobre a ‘comunhão com o Espírito Santo’ (2Co 13.13), a Bíblia mostra que Ele é não apenas objeto de nossa fé, mas também de nossa oração e adoração” (SOARES, 2020, p. 18). Portanto, quando adoramos a Deus estamos glorificando as três pessoas simultaneamente como bem ensina a Harpa Cristã número 10: “Glória, glória ao Pai bendito, glória, glória a Jesus; glória dai ao Santo Espírito. Ao Deus trino, nossa luz”.

6.1 Uma pessoa divina é digna de adoração. É comum dizer que o Espírito Santo não deve ser adorado porque “ele glorifica a Cristo”. É, na verdade, um pensamento equivocado, pois se Ele é Deus, nisso por si só, a sua adoração é aceitável, não existe na fé cristã um deus de segunda categoria, um que deve ser adorado e outro não [...] (SOARES, 2020, p. 25 – grifo nosso). Somos ordenados a adorar a Deus (Sl 18.3; 48.1; Mt 4.10, Ap 19.10; 22.9). O Espírito Santo é chamado de Senhor nas Escrituras: “Ora, o SENHOR é o Espírito” (2Co 3.17 - ARA). Se, então, o Espírito Santo é Deus (2Sm 23.2,3), como uma pessoa da Trindade, então, Ele é digno de adoração. O Espírito Santo possui a natureza da divindade - Ele compartilha os atributos de Deus. Ele não é nem angélico nem humano, mas na sua essência Ele é divino (At 5.3,4). Paulo mostra claramente que as três pessoas da Trindade são adoradas: a) O Pai (Gl 1.3-6); o Filho (Gl 1.7-12); e, o Espírito Santo (Ef 1.13,14). Nesta passagem temos percebemos a Divindade nas três pessoas de maneira distinta em prol da salvação do homem. Em todas as três funções os três são dignos do mesmo louvor, glória e adoração.

CONCLUSÃO

Sendo o Espírito Santo Deus, seria impossível defini-lo ou descrevê-lo em Sua plenitude. Por isso, procuramos apenas descrever alguns atributos, bem como algumas de suas atividades que foram registradas nas Sagradas Escrituras sem esquecer-nos, no entanto, de que esta atuação não se limita às experiências que foram registradas nas páginas das Escrituras; pois, Ele continua agindo, de maneira atuante e marcante, na vida dos pecadores, e, principalmente, dos servos de Deus, espalhados por todo o mundo.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Claudionor Correia de. Dicionário Teológico. CPAD.

PEARLMAN, Myer Conhecendo as Doutrinas da Bíblia. Vida.

BÉRGSTEN, Eurico. Teologia Sistemática. CPAD.

SOARES, Ezequias. O Verdadeiro Pentecostalismo. CPAD.

HORTON, Stanley O que a Bíblia diz sobre o Espírito Santo. CPAD.

SOARES, E. (Org.). Declaração de Fé das Assembleias de Deus. CPAD.

HORTON, Stanley. Teologia Sistemática. CPAD.

STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.

COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL (ENCAMINHAMENTO DO MATERIAL) - PROF. PAULO AVELINO

Copyright © 2003 - 2021 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.