Adultos

Lição 10 - O sistema de sacrifícios III

ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SETOR 31 - ERMELINO MATARAZZO - SÃO PAULO/SP

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

SEGUNDO TRIMESTRE DE 2019

Adultos - O TABERNÁCULO: Símbolos da obra redentora de Cristo

COMENTARISTA: ELIENAI CABRAL

COMENTÁRIO: EV. MARCOS JACOB DE MEDEIROS

LIÇÃO 10 - O SISTEMA DE SACRIFÍCIOS

Texto: Levítico 1.1-3; 2.1-3; 3.1,2; 7.1,2; 1 João 2.1,2

Introdução: Jesus Cristo executou, na cruz, o sacrifício perfeito, obtendo, por meio de seu sangue, e de uma vez por todas, a redenção eterna para todos os que creem nEle.

I – A OFERTA VOLUNTÁRIA: O HOLOCAUSTO (Lv 1.1-3)

1. O conceito de holocausto.

1.1. Holocausto: (hb: olah): ‘levantar, fazer subir, que ascende’

1.2. Estamos analisando o próprio sacrifício de holocausto (Sl 51.19)

. O cheiro suave subia ‘às narinas de Deus’ (Nm 28.6; Ef 5.2)

1.3. Era um modo antropomórfico; isto é, uma figura tipicamente humana para referir-se a Deus

2. O que era a oferta de holocausto?

2.1. A oferta apresentada no altar do holocausto podia ser de animais como boi, ovelha, cabra, pombinhos ou rolinhas

. Cada vítima era queimada no Altar (Lv 1.15)

2.2. Era um tipo de sacrifício que apontava para a vítima perfeita: o Cordeiro de Deus “que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29 cf. Is 52.13-15; Fp 2.5-8; Hb 12.2,3).

3. Uma oferta voluntária

3.1. A oferta tinha um caráter voluntário (Lv 1.3).

3.2. O objetivo do holocausto era que Deus aceitasse o ofertante

. Assim, o ofertante colocava a mão sobre a cabeça da vítima a ser sacrificada, transferindo, para si, os benefícios do sacrifício: a expiação dos pecados (Lv 4.29, 35b)

. O animal era imolado fora da tenda e, em seguida, conduzido ao altar dos holocaustos. (Hb 13.11,12)

4. O sacrifício de Cristo foi um “holocausto” agradável ao Pai.

4.1. O sacrifício de Cristo no Calvário foi agradável à Deus (Ef 5.2; Hb 9.13,14)

4.2. Através do sacrifício de Cristo no Calvário fomos reconciliados com o Pai (2Co 5.19)

II – A OFERTA DE MANJARES (Lv 2.1-3)

1. O significado da oferta.

1.1. Essa oferta representava a gratidão do hebreu pela fecundidade da terra.

. Ele tirava os cereais comestíveis e oferecia-os ao Senhor como “um sacrifício de manjares”.

. Essa imagem nos fala de como devemos apresentar o fruto do nosso trabalho diante de Deus.

. Não podemos nos apresentar perante Ele de mãos vazias (Mt 25.14-30)

2. Como era a oferta de manjares?

2.1. Essa oferta também era chamada de “Festa das Primícias” (Lv 2.12-16)

2.2. Ela compunha-se:

. De grãos novos e macios colhidos na primeira colheita

. Era feita de farinha fina misturada com azeite (Lv 2.4)

2.3. O azeite é um dos símbolos do Espírito Santo (Zc 4.2-6; Êx 30.31)

. Que possamos viver uma vida dependente do Espírito Santo. (Jo 16.13)

. Que, na força do Espírito, fazer as mesmas obras que o nosso Senhor fez (At 10.38)

3. A oferta aponta para um alimento espiritual.

3.1. Jesus é o “pão vivo que desceu do céu”, o trigo que foi moído para se tornar o nosso alimento espiritual (Jo 6.33-35).

. Devemos nos alimentar deste pão (Jo 6.51)

3.2. O testemunho do Senhor é verdadeiro (Jo 5.30; 8.28).

III - A OFERTA PACÍFICA, O SACRIFÍCIO PELO PECADO E O DIA DA EXPIAÇÃO (Lv 3.1,2; 7.1,2)

1. O que era a oferta pacífica?

1.1. Essa oferta significava, literalmente, “um presente oferecido a Deus”, e denotava a comunhão e a felicidade do ofertante com o Pai

1.2. Como era ofertada:

. Imolava-se o animal tirando porções especiais e separando-as do sangue e da gordura do animal.

. O sacerdote espargia o sangue do animal imolado ao redor do altar, em sinal da propiciação pela vida do pecador.

. Os miúdos do animal eram queimados no fogo do altar e, assim, tanto o sacerdote quanto o ofertante, e sua família, comiam a carne nobre do animal imolado (Lv 2.8,13,16,17).

2. A simbologia da oferta pacífica.

2.1. A oferta pacífica aponta para a nossa reconciliação com o Pai (Cl 1.19-20)

2.2. O Senhor foi a oferta pacífica para reconciliar-nos com o Pai (Is 9.6; 2Co 5.18;).

3. O que era a oferta pelo pecado?

3.1. Diferentemente das outras oferendas, as ofertas pelo pecado e pela culpa eram obrigatórias.

. Identificavam a natureza pecaminosa do homem

. O homem apresentava a Deus algo por seus pecados

3.2. Esse sacrifício era feito fora do arraial.

. Jesus foi morto fora de Jerusalém, fazendo-se pecado por nós (1 Pe 2.24).

4. O grande dia da expiação.

4.1. Levítico 16 narra o mais importante dia para o povo judeu: o dia da Expiação.

. Todo judeu observava um jejum e não fazia qualquer trabalho

. É chamado, hoje, como Yom Kippur, o “Dia do Perdão”.

4.2. O Sumo Sacerdote entrava no Santo dos Santos;

. Apresentava um novilho por si mesmo e por sua família (Lv 16.6)

. Apresentava um bode pelo povo (Lv 16.7-10)

. Aspergia o sangue das vítimas sobre o propiciatório (Lv 16.11-19)

4.3. O rito representava a mais importante oferta pelo pecado de toda a nação.

4.4. Esse rito aponta para o nosso grande dia da Expiação, no Calvário, quando Jesus Cristo, nosso Senhor, exclamou na cruz: “Está consumado” (Jo 19.30).

Conclusão: Mas a Palavra de Deus mostra-nos que o sacrifício único de Cristo, no Calvário, foi suficiente para apagar os nossos pecados (2 Co 5.21; 1 Pe 3.18). Valorize a graça de Deus e alegre-se no Espírito Santo por este presente: a salvação.

COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. MARCOS JACOB DE MEDEIROS

Copyright © 2003 - 2019 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.