Lição 13 - O Deus Salvador

Imprimir

ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO IPIRANGA - SEDE - SÃO PAULO/SP

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2019

Juniores: Conhecendo mais sobre Deus

COMENTARISTA:SUSANA CIRQUEIRA

COMENTÁRIO: PROFª. JACIARA DA SILVA

LIÇÃO Nº 13 – O DEUS SALVADOR

Ao Mestre

O termo "salvação" é de profundo significado e de infinito alcance. Muitos têm uma pobre idéia da inefável salvação consumada por Jesus, o que, às vezes, reflete-se numa vida espiritual descuidada e negligente, onde falta aquele amor ardente e total por Jesus, e busca constante de sua comunhão.

Enfatize diante da classe que a nossa bendita salvação não significa apenas livramento da condenação do inferno. Ela abarca todos os atos e processos redentores e transformadores da parte de Deus para com o homem e o mundo através de Jesus, o nosso Redentor, nesta vida e na outra.

Objetivo

Professor (a) ministre sua aula de forma que possa conduzir o aluno a conscientizar-se que se obtém a salvação somente através de Jesus.

Memorizando

“Ao único Deus, nosso Salvador, sejam glória, majestade, poder e autoridade, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor, antes de todos os tempos, agora e para todo o sempre! Amém." (Jd v. 25 – NVI).

Texto Bíblico: Is 9.1-7; Mt 1.18-25.

Deus, o provedor da salvação

O apóstolo João, com muita certeza e entusiasmo, destacou o grande amor de Deus por nós ao nos tornar seus filhos, e, assim, participantes de uma tão grande salvação (3.1; Hb 2.3). Deus não somente concedeu-nos o perdão dos nossos pecados, mas manifestou seu amor graciosamente; enchendo-nos a alma de paz, convicção e consolo. Por sua imensa compaixão, substituiu nossa miséria, vazio e incertezas por júbilo, amor e esperança (Ef 1.3-6; 1 Pe 1.18-20).

1. A salvação na eternidade passada

No Éden, quando o primeiro casal pecou, imediatamente escondeu-se de Deus, pois o pecado afasta o homem de seu Criador (Gn 3.8b). Todavia, Deus, por seu amor indizível, busca o pecador a fim de restaurá-lo e livrá-lo da servidão do pecado (Gn 3.8,9,21).

Lá no Éden, o Senhor proferiu uma sentença acerca da serpente dizendo que sua cabeça seria esmagada. Esta foi a primeira promessa de redenção da humanidade (Gn 3.15). A Bíblia nos garante que na eternidade, Deus em Cristo nos abençoou com todas as bênçãos espirituais e elegeu-nos, predestinando-nos para filhos de adoção (Ef 1.3-5). Assim, pela providência de Deus, hoje somos seus filhos, salvos e herdeiros da coroa da vida (Ap 2.10; 2 Tm 4.7,8). Esse poder de filiação é tão expressivo que nos tira da dimensão terrena para a celestial (Jo 1.12,13; Cl 3.1-3).

2. A salvação hoje

O apóstolo João, em sua primeira epístola, usa a expressão "filhos de Deus" para identificar os crentes como criancinhas, nascidas de novo (1 Jo 2.1,12,28). A referida expressão está relacionada à comunhão e à convivência da criança com seus pais. Através da regeneração, Deus colocou em nós uma nova natureza (Jo 3.5,6), sem a qual não teríamos nos tornado novas criaturas (2 Co 5.17). Essa nova natureza, oriunda de Deus, habilita-nos a um novo estilo de vida, que nos conduz à boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Esta divina natureza é completamente estranha aos que não conhecem a Cristo. É por isso que o mundo nos aborrece (1 Co 2.15,16; 1 Pe 4.3,4).

O fato é que estamos de passagem neste mundo. Aqui, somos estrangeiros e forasteiros (Hb 11.13; 1 Pe 2.11). Quando Cristo voltar, estaremos para sempre com Ele (Jr 31.3; Rm 5.8).

Jesus, O Autor da salvação (Hb 5.9)

Ao falarmos da missão salvífica de Jesus, devemos realçar seu nascimento, porque, sem o seu sacrifício, como propiciação pelos nossos pecados, jamais teríamos o poder de sermos feitos filhos de Deus (1 Jo 2.2; 1 Pe 2.24).

Em decorrência do pecado, a humanidade ficou sob o domínio e Satanás. Só Cristo poderia mudar essa situação, e de fato o fez: resgatou-nos das garras do Diabo, pagando um alto preço por nossa redenção (1 Pe 3.18). "Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado" (1 Pe 1.18, 19). Cristo nos resgatou com seu precioso sangue: "Sem derramamento de sangue não há remissão" de pecados (Hb 9.22; Mc 10.45; 1 Co 6.20; 1 Tm 2.6).

1. Resgatados da prisão do pecado

Uma vez resgatado por Jesus, o crente precisa crescer e desenvolver-se na vida cristã. A Bíblia afirma que "se alguém está em Cristo, nova criatura é" (2 Co 5.17). Portanto, não existe meio termo. Ou a pessoa está em Cristo ou está sem Cristo. Está salva ou perdida. Permanecer salvo, do lado humano, depende da nossa disposição de seguir a Cristo até o fim (Hb 3.14; 1 Co 1.8; Mt 10.27). A salvação não é somente um ato, mas também um processo que requer exercício e vigilância (1 Co 10.12). É a nossa união com Cristo que nos mantém salvos (Jo 15.4,10). E essa união não consiste numa simples relação afetiva com Jesus, mas numa inserção integral no Ser divino (Jo 15.5).

2. O Espírito Santo é o mantenedor da salvação

É o Espírito Santo que aplica a salvação à nossa vida. Ele é o guardião que ajuda o crente a alcançar a estatura completa de Cristo (Ef 4.13; 2 Co 3.18; 2 Tm 4.18).

a) O Espírito Santo convence. Ele convence plenamente o homem das realidades espirituais do Evangelho, especialmente no que diz respeito ao pecado, à justiça e ao juízo divino (Jo 16.8-11). Ele registra nitidamente essas verdades na mente do homem fazendo-o entendê-las e reconhecer que elas são vitais para a sua vida aqui e no além. É o Espírito de Deus que faz o crente entender a Palavra lida e ouvida, para que ele cresça e se fortaleça (2 Tm 3.16,17).

b) O Espírito Santo habita no crente. Ele habita permanentemente na pessoa que, arrependida dos seus pecados, pela fé aceitou a Cristo e nasceu de novo (Jo 14.16,17; 1 Pe 1.23). É a presença do Espírito Santo atuando em nós que nos dá a certeza de que pertencemos a Deus (1 Jo 4.13; 3.24; 1 Co 3.16).

c) O Espírito Consolador. É o Espírito Santo que confirma no íntimo do crente que, em Cristo, somos filhos de Deus, dando segurança espiritual aos nascidos de novo (Rm 8.15,16).

d) O Espírito Santo promove crescimento e fortalecimento espiritual. Ele produz em nós o seu fruto (Gl 5.22,23). A Bíblia, na Epístola aos Romanos, trata das bênçãos do Espírito na vida do crente fiel (Rm 8.4-13). É impossível ao crente viver a vida que agrada a Deus sem o auxílio do Espírito Santo. A recíproca é verdadeira: se somos filhos de Deus pela conversão, e o seu Espírito habita em nós, devemos viver em santidade e justiça (Lc 1.75). A santificação é um processo iniciado e levado a efeito pelo Espírito Santo durante toda a nossa vida. (2 Co 7.1; 6.1-3).

Aplicação da Lição

Enfatize aos pequenos que quando falamos de salvação, é um salvamento que ocorre quando a pessoa está em uma situação que não pode se libertar de um acidente sozinho. Assim é com a humanidade. A escolha de Adão e Eva no Éden causou uma queda espiritual nos afastando de Deus, colocando-nos em uma abismo do mal, e somente o braço do próprio Deus, enviando seu Filho, pode nos salvar desse mal intrínseco em nossa natureza humana, através de sincero arrependimento e aceitar o sacrifício vicário de Cristo.

Fontes Consultadas:

BÍBLIA. Português. Bíblia Shedd. Tradução João Ferreira de Almeida, Revista e Atualizada. São Paulo, Edições Vida Nova, 1ª Edição, 1889.

BÍBLIA. Português. Nova Versão Internacional. São Paulo, Editora Geográfica, 9ª Edição, 2001.

HARRIS, R. Laird; JR, Gleason L. Archer; WALTKE, Bruce K.Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo, Edições Vida Nova, 1ª Edição 1989, Reimpressão 2008.

ELWELL, Walter A. Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. São Paulo, Reimpressão em 1 volume, 2009.

Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva.