Juvenis

Lição 6 - Eutanásia II

CASA PUBLICADORA DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

SEGUNDO TRIMESTRE DE 2018

Juvenis: Questões difíceis de nosso tempo

COMENTARISTA: ADRIANO LIMA

COMENTÁRIO: PROF.ª PAULA RENATA SANTOS

LIÇÃO Nº 6 – EUTANÁSIA

ESBOÇO DA LIÇÃO

1. O QUE É EUTANÁSIA?

2. POR QUE DEFENDEM A EUTANÁSIA?

3. O CRIADOR DA VIDA

OBJETIVOS

Compreender que a eutanásia é contra os princípios divinos;

Conscientizar-se de que somente Deus tem o direito de dar ou tirar a vida.

Querido (a) professor (a), nossa próxima lição fala sobre mais uma questão delicada em voga no nosso tempo: a eutanásia. No Brasil a prática de provocar a morte assistida de um paciente incurável ainda é crime, porém, existem os que defendem sua liberação jurídica. Por isso, é importante que os grupos pró-vida estejam sempre atentos quanto ao assunto. Através da informação e ética cristã você estará preparando essa nova geração para estar apta a assumir o legado de se colocar em defesa da vida.

Muitos grupos que apóiam o suicídio assistido pelos médicos para pacientes em estado terminal atribuem a “preconceito religioso” o fato de a prática ser considerada e mantida ilegal em nosso país. Contudo, ironicamente, a origem de tal proibição veio de uma cultura pagã, não cristã.

Nos tempos antigos o suicídio era uma prática recorrente, especialmente em casos de doenças letais. As pessoas recorriam a curandeiros ou ao que tinham como equivalente a um “médico” na sua época e contexto cultural, buscando um chá ou receita que lhes fosse mortal. Até que na Grécia Antiga, aproximadamente 400 a.C., grandes pensadores e filósofos gregos propuseram o juramento de Hipócrates (considerado hoje o “pai da medicina ocidental”), que se comprometia a jamais usar seus conhecimentos medicinais para tirar a vida de alguém, ainda que este o solicite. Evidentemente, anos mais tarde os seguidores de Jesus aderiram ao juramento, adaptando-o à ética cristã.

Com o propósito de lhe dar ainda mais respaldo sobre eutanásia, do que já contém em sua revista, sugerimos a leitura e debate em classe acerca do que um dos legitimados autores da CPAD, Charles Colson, escreveu sobre o assunto.

Por dois mil anos, a profissão médica tem sido uma estrutura complexa de habilidades técnicas ligadas a compromissos morais. Mas hoje essa estrutura está se desfazendo. A medicina está perdendo a sua dimensão moral e está sendo reduzida a apenas um conjunto de habilidade técnicas aplacadas a serviço da engenharia social.

Pense por exemplo nos países baixos (Bélgica, Holanda e Luxemburgo) que entraram no “admirável” mundo novo da eutanásia (suicídio assistido) há vários anos. Em pouco tempo, os médicos holandeses agiram além dos pedidos dos pacientes e começaram a tomar suas próprias decisões sobre que, deveria viver ou morrer. Hoje, quase a metade dos médicos holandeses diz ter dado injeções letais sem o conhecimento ou consentimento dos pacientes.

Fica claro que o antigo juramento hipocrático, com seu tabu contra matar, não era um mero “preconceito religioso”. Ele foi baseado em um profundo entendimento da tentação que os médicos enfrentam com seu poder sobre a vida e a morte.

[...] Talvez a maior tragédia seja que os pacientes que pedem o suicídio sejam tipicamente motivados não pela doença, mas pela solidão e depressão. O que realmente necessitam não é de uma droga mortal, porém cuidado e companhia.

A aceitação do suicídio assistido pelo médico indica não apenas o fim da medicina como uma profissão baseada na moral, mas também um profundo fracasso do nosso próprio caráter – um fracasso em nos comprometermos a amar e cuidar dos doentes, dos deficientes e daqueles que estão morrendo. (COLSON, Charles. Resposta às Dúvidas de seus Adolescentes. Rio de Janeiro, CPAD, 2013, pp. 177, 178).

O Senhor lhe abençoe e capacite! Boa aula.

Fonte: http://www.escoladominical.com.br/home/licoes-biblicas/subsidios/juvenis/910-li%C3%A7%C3%A3o-6-eutan%C3%A1sia.html Acesso em 04 maio 2018

Copyright © 2003 - 2018 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.