Juniores

Lição 9 - O amigo arrependido

ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO IPIRANGA - SEDE - SÃO PAULO/SP

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2018

Juniores: Os amigos de Jesus

COMENTARISTA: DANIELE PEREIRA

COMENTÁRIO: PROFª. JACIARA DA SILVA

LIÇÃO Nº 9 – O AMIGO ARREPENDIDO

Objetivo

Professor (a) ministre sua aula de forma que ao término, seus alunos possam conscientizar-se de que Jesus nos ama e nos quer com Ele, mas para sermos perdoados, precisamos nos arrepender de nossos atos e pensamentos maus.

Para memorizar:

“Eu não vim chamar justos, mas pecadores ao arrependimento". (Lc 5.32 - NVI)

Texto bíblico em estudo: Lc 19.1-10.

Zaqueu, rico e infeliz

Jericó era uma das últimas paradas de Jesus na sua jornada para Jerusalém, onde ele sabia que destino lhe aguardava. Mais do que nunca era a hora de decisão. Quem estava ou não com ele. As pessoas precisavam decidir uma vez para todos qual seria o seu relacionamento com Jesus e isto significava primeiro o reconhecimento no seu interior de quem ELE realmente era. Porque se era mesmo o messias, se era, como falava, o portador de salvação, a decisão era mais clara. Precisava ficar corpo e alma do lado dele.

Mas a medida que Jesus se aproximava de Jerusalém esta decisão precisava ser tomada. E, às vezes, era tomada pelas pessoas que menos se esperava. A história do Zaqueu era um destes casos. A história é simples. Não exige nenhum esforço intelectual para entendê-la. Mas exige uma quantidade enorme de coragem e decisão para ouvir esta história no seu coração e agir de acordo.

O incidente ocorreu em Jericó, uma cidade onde viviam metade das ordens sacerdotais. Logo estava cheia de líderes religiosos. Também era um importante cidade comercial pelo seu local perto da fronteira com a Perea onde um cobrador de impostos se beneficiaria dos impostos de importação e exportação.

Mas Zaqueu não era era um cobrador de impostos qualquer. Ele era o chefe deles o que significava que estava especialmente bem posicionado para se enriquecer aos custos da população. Logo, se os cobradores de impostos eram odiados pelos outros judeus, mais ainda era o seu chefe.

Chegando perto de Jericó, no final de Lucas 18, logo antes da história do Zaqueu, Jesus curou um cego que muito se esforçava para falar com Jesus. Certamente a notícia, como sempre, se espalhou rapidamente. E Zaqueu se esforçava muito para ver com os próprios olhos quem era o objeto de tanta conversa. Mas ele era um baixinho e não coseguiu enxergar por cima das outras pessoas que o cercavam. Então, lemos que ele correu adiante deixando os outros para trás e subiu uma árvore, um sicômoro, para poder enxergar Jesus. Ora Zaqueu tinha virado uma criança, pois os homens não corriam naquela cultura. Só as crianças corriam como Zaqueu fez naquele momento.

E dito feito. Chegando aí, Jesus olhou para cima e o viu olhando para baixo á de cima e o chamou pelo nome, “Zaqueu, desça depressa porque quero ficar na sua casa.” Novamente Zaqueu era feito criança, pois desceu depressa e com alegria deu as boas vindas para Jesus.

O povo, quando viu isso, ficou indignado comentando que Jesus ia se hospedar na casa numa pecador. Mas Zaqueu permaneceu firme e em pé diante deles e fez uma afirmação para Jesus, mas também na presença de todos:

“Dou agora metade que tenho para os pobres e pagarei em quadrúplico se defraudei alguém.”

Digo que isto é espantoso pelo seguinte: a lei judaica estabeleceu 20% como uma porcentagem anual razoável que um rico piedoso deverá dar para os pobres. Zaqueu estava dando metade… 50%. E notem bem, depois de reduzir a sua riqueza pela metade, Zaqueu, daquela metade ia restituir quatro vezes aquelas pessoas que ele defraudou nos seus negócios. (Este era a restituição que a lei exigia dum ladrão – Êx 22.1).

E tudo isso Zaqueu falou em pé, em baixo da árvore na presença de todo o mundo. E qual foi a conseqüência? Jesus disse que a salvação chegou hoje mesmo na casa, isto é de Zaqueu pois não era mais um funcionário político sem escrúpulos, tido pelos compatriotas como indigno de ser judeu. Não, ele hoje se revelava um legítimo filho de Abraão, e assim, herdeiro das promessas feitas para Abraão de ser muito abençoado por Deus e de ser um instrumento de Deus para abençoar a vida de muitos outros.

E Jesus finaliza com a afirmação da sua vocação: “Pois o Filho do Homem veio buscar e salvar os que estavam perdidos.”

Conclusão

Enfatize aos pequenos que assim como por sua graça, Jesus salvou a Zaqueu, Ele deseja salvar a toda a humanidade. Muitos aqui, já ouviram Jesus dizendo isto para eles. Então que prestem atenção aos passos que Zaqueu tomou. Pois o seu final poderá ser tão feliz como o final do Zaqueu.

Colaboração para Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva.

Copyright © 2003 - 2018 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.