Juniores

Lição 2 - Uma história sobre a bondade

ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO IPIRANGA - SEDE - SÃO PAULO/SP

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

QUARTO TRIMESTRE DE 2017

Juniores: As histórias de Jesus

COMENTARISTA: PATRÍCIA ALMEIDA

COMENTÁRIO: PROF.ª JACIARA DA SILVA

LIÇÃO Nº 2 – UMA HISTÓRIA SOBRE A BONDADE

 

Objetivo

Professor (a) ministre sua aula de forma a conduzir seu aluno a Compreender a importância de amar o próximo e valorizar a comunhão entre os irmãos.

Memorizando

"Como vocês querem que os outros lhes façam, façam também vocês a eles." (Lc 6.31 - NVI)

Introdução

“Quem é o meu próximo?” O ser humano sempre usa de subterfúgios a respeito de dar uma definição, como o doutor da lei o fez – mas o Senhor Jesus ensina nesta parábola que amor não é assunto de discussão teórica, e sim de demonstração prática.

O que é amor?

Será que o meu amigo dicionário sabe?

Segundo o Dicionário Aurélio 2002, Amor do lat. amore:

1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem...

2. Sentimento de dedicação ser a outro ser...

3. Sentimento de afeto, ditado por laços de família...

4. Sentimento terreno ou ardente de uma pessoa por outra...

5. Adoração, veneração, culto: amor a Deus.

6. Afeição, amizade, carinho, simpatia, ternura.

7. Muito cuidado, zelo.

Segundo o Dicionário Vine:

1. O termo grego ágape e agapaõ são usados no Novo Testamento para:

a) Descrever a atitude de Deus para com seu Filho ( Jô 17.26); para com o gênero humano, em geral ( Jo 3.16; Rm 5.8); e para com aquele que crê no Senhor Jesus Cristo em particular ( Jo 14.21)

b) Transmitir Sua vontade aos seus filhos concernente à atitude deles uns para com os outros ( Jo 13.34), e para com todos os homens ( 1 Ts 3.12; 1 Co 16.14; 2 Pe 1.7).

c) Expressar a natureza essencial de Deus ( 1 Jo 4.8).

• O amor só pode ser conhecido pelas ações que persuade, que estimula;

• O amor de Deus é visto no presente de Seu Filho ( 1 Jo 4.9,10);

• O amor teve sua perfeita expressão entre os homens, no Nosso Senhor Jesus Cristo ( 2 Co 5.14; Ef 2.4; 3.19; 5.2).

• O amor cristão é o fruto do Espírito no crente ( Gl 5.22).

O amor a Deus

Acerca de Deus, o termo agapaõ, conforme é usado, expressa “Amor e interesse profundo e constante de um Ser Perfeito para conosco, que imersos no pecado, indignos – e mesmo assim Ele nos ama- e produz em nós o Seu amor, e alimentando-nos com um amor reverente para com o Senhor que nos amou, e um amor prático para com os outros, e um desejo de ajudar os outros a buscar o Doador desse amor”.

A quem devemos amar?

Devemos demonstrar que amamos, através de ações:

a) Amando a Jesus Cristo ( Jo 14.23) – Guardar a Palavra é obedecer, como podemos dizer que amamos ao Senhor se não obedecemos a Sua Palavra?

b) Amando a Palavra de Deus ( Sl 119.97) – A Palavra de Deus nos torna mais sábios, a verdadeira sabedoria vai além do acúmulo de conhecimento, implica saber aplicar o conhecimento de modo que nossa vida mude para melhor. Se você ama a Palavra de Deus, você vive de acordo com o que ela ensina.

c) Amando a Vinda de Cristo ( 2 Tm 4.8) – Quando amamos uma pessoa, nos dedicamos a ela, e quando ela se ausenta, esperamos com ansiedade a sua volta. Se verdadeiramente amamos ao Senhor Jesus Cristo, com certeza amaremos a sua Vinda.

d) Amando aos irmãos ( 1 Jo 3.18) – Amar aos irmãos envolve, muitas vezes, colocar os interesses do outro em lugar do nosso, o verdadeiro amor consiste em ação e não somente em palavras.

e) Amando aos inimigos ( Mt 5.44) – Neste texto, o Senhor Jesus nos ensina o verdadeiro sentido de abnegar-se – o sentido aqui é que, mesmo sofrendo perseguição ou injustiça, ao invés de exigir nossos direitos – devemos livremente, voluntariamente – abrir mão deles, pois para Deus é mais importante praticar a justiça e a misericórdia do que recebê-las.

Quem é o próximo?

Enquanto o doutor da lei indagava (e permita-me estender essa indagação também ao sacerdote e ao levita da parábola), “Quem é o meu próximo?” – o samaritano que era desprezado como homem de raça mestiça, que era considerado profano, foi elogiado pelo Senhor Jesus por não teorizar – mas sim agir.

Encontrando o próximo:

Na parábola em questão, o próximo não é um amigo, um parente – e sim, um samaritano desprezado.Aqui o Senhor Jesus nos ensina, que o samaritano não se importou se aquela pessoa que ali estava, em circunstâncias normais, nem sequer, o saudaria, o samaritano simplesmente quando o viu teve compaixão, mostrou altruísmo, ou seja, amor sem interesse.

Não passe de largo:

O Senhor Jesus devolveu a questão do doutor da lei, mas mudou a ênfase: “Quem te parece, que foi o próximo daquele?” – o amor não considera o valor da pessoa, mas simplesmente responde a necessidade humana. Realmente o amor é o principio ético, a força motivadora e a metodologia correta de todo cristão. Sem amor não há benefícios ao próximo, e surgem os desentendimento, as pessoas se magoam e há divisões.

Amemos, pois, e viveremos bem melhor ( 1 Jo 3.14).

Jesus dá o exemplo ( Lc 19.10; Jo 13.14):

O Senhor Jesus nos amou de tal forma que, sendo Deus, humilhou-se a Si mesmo, assumindo a forma humana, e sacrificou-se dando a Sua vida para nos resgartar de volta a Deus. Ele não passou de largo, antes veio ao nosso auxilio.

Amados, não nos é muito mais fácil amar e ajudar os que nos cercam, visto que não morreremos como o Senhor Jesus o fez?

Que tal imitar o Mestre? ( 1 Jo 2.6)

Vamos imitar o Mestre?

Então comece a exercer com alegria a sublime missão de amar ao próximo, seja ele quem for.

Você sabe qual é o maior mandamento? ( Mt 32.37-39)

“Amarás ao Senhor teu Deus de todo o vosso coração... amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.

Nosso amor a Deus deve ser sincero, e o amor do crente para com o seu próximo deve ser controlado e dirigido pelo seu amor e devoção a Deus, como podemos dizer que amamos a Deus se não amamos o nosso irmão? ( 1 Jo 4.20).

Amar o próximo não é fácil

Lembre-se que na parábola, se o homem ferido estivesse bem, nem teria cumprimentado o samaritano. A resposta do Senhor Jesus ao doutor foi “Vai e faze da mesma maneira”.

A parábola do samaritano nos ensina que:

1. Religiosidade não significa automaticamente – bondade;

2. Quanto ao nosso próximo, pode ser alguém fora do nosso grupo de convívio, de amizades, de familiares, ou de nossa religião;

3. Que o amor real requer abnegação como Cristo mostrou.

Siga o conselho do Mestre: “Vai e faze da mesma maneira”.

Aplicação da Lição

Caro professor (a) EBD, certifique-se de que você alcançou os objetivos da lição.

E convide-os, a neste mundo de egoísmo, desigualdades, desamor, mentiras, falsidades e tantas outras coisas, desafie-os a FAZER DIFERENÇA!!

Amemos... amemos nosso próximo.

Ore ao Senhor com eles, e diga que se ele se propuseram a fazer o Senhor os ajudará,

Diga que comecem a praticar hoje, e então eles verão quão felizes e vitoriosos serão.

Que o Senhor vos abençoe!

Fontes Consultadas:

• Bíblia de Estudo de Aplicação Pessoal – Editora CPAD – edição 2003

• Bíblia de Estudo Plenitude – SBB/1995 – Barueri/SP

• Bíblia de Estudo Pentecostal – Editora CPAD – Edição 2002.

• Bíblia Shedd – Editora Mundo Cristão – 2ª Edição

• Dicionário Vine – Editora CPAD – 3ª Edição 2003

Colaboração para o Portal Escola Dominical: Profª. Jaciara da Silva.

Copyright © 2003 - 2017 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.