Adolescentes

Lição 9 - A Bíblia ensina a amar o ser humano I

ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO IPIRANGA - SEDE - SÃO PAULO/SP

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

QUARTO TRIMESTRE DE 2017

Adolescentes: Bíblia, um livro atual

COMENTARISTA: ROBSON ROCHA

COMENTÁRIO: JACIARA DA SILVA

LIÇÃO Nº 9 – A BÍBLIA ENSINA A AMAR O SER HUMANO

Texto Bíblico: Gn 1.26,27; Mc 12.31

Para refletir

"‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. Não existe mandamento maior do que estes". (Mc 12.31 - NVI)

Introdução

Estimado professor, a época que estamos atravessando é um período em que o individualismo, o egoísmo, o egocentrismo e tantos outros sentimentos perniciosos têm dominado os corações. Como a igreja está inserida nesta sociedade, lamentavelmente, tais posturas acabam sendo reproduzidas até mesmo por cristãos. Com base nesse pressuposto, ministre o conteúdo desta aula tendo como principal objetivo conclamar os seus alunos à prática e vivência dessa característica imprescindível ao povo de Deus.

O mandamento atemporal

Em seus ensinamentos, Jesus Cristo enfatizou reiteradas vezes a importância do fundamento da obediência e a razão principal de sua prática: o amor (Mt 22.37,39; Jo 13.34; 15.12). João focaliza o amor entre os irmãos, relembrando o ensino do Mestre, que disse aos seus seguidores que seriam conhecidos como "seus discípulos" pelo amor com que se amavam (Jo 13.35). Além disso, o ensinamento bíblico é claro quando afirma que, havendo cessado os dons espirituais, o amor ainda adentrará os portais da eternidade (1 Co 13.8).

Mandamento "antigo" e "novo"

Neste texto, o apóstolo João chama os nascidos de novo à obediência do mandamento de amar; porque, ao praticá-lo, o cristão cumpre a lei (Mt 22.34-40; Rm 13.8-10; Tg 2.8). Ele nos fala de algo, aparentemente contraditório, que é o "antigo" e o "novo" mandamento. Na realidade, os dois adjetivos se referem ao mesmo mandamento que é o de amar. Como servimos ao Deus imutável, que nos manda amar tanto no Antigo quanto no Novo Testamento (Lv 19.18; Mq 6.8; Mc 12.33), e que inspirou Paulo a escrever que o "amor nunca passará" (1 Co 13.8), é plenamente claro que o amor é atemporal, ou seja, independente do tempo.

Em que sentido o mandamento de amar é antigo e novo. Apesar de a epístola de João ser universal, ela foi produzida dentro de uma realidade local, ou seja, para uma comunidade de fé, para uma igreja. Considerando a época em que foi escrita e o momento em que o grupo cristão a recebeu, é possível entender que João se referia a um assunto basilar aprendido no início da fé, quando de sua conversão (cf. 1 Jo 3.11). Neste sentido ele não é novo, mas antigo. Por outro lado, João destaca o ensino de Jesus Cristo que disse: "Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis" (Jo 13.34). A idéia não é que cada um deve amar do jeito que puder, pois o padrão de amor é o mesmo do Meigo Nazareno (1 Jo 3.16). Em contraposição à postura que supervalorizava o exterior, os cristãos não devem ser conhecidos pela observação cega e legalista de regras, mas pela vivência do amor em seus diversos relacionamentos. Em outro sentido, não devemos esquecer que, como um organismo vivo, a igreja recebe novos membros constantemente, e tal mandamento para os novos convertidos torna-se então novo.

O Senhor Jesus é o nosso exemplo de amor

O objetivo de cada cristão é ser como Cristo (Ef 4.13). No quesito amor, Ele nos deixou o exemplo de um amor incondicional ao comer com pecadores e publicanos (Mt 9.10,11; Mc 2.16). Declarou que há festa no céu quando um pecador se arrepende (Lc 15.7,10), demonstrando o valor que atribui a cada ser humano. Era sobre este amor que João pensava quando disse que devemos amar uns aos outros (Jo 13.34; 15.12,17), dando uma nova roupagem aos mandamentos das leis do Antigo Testamento (Lv 19.18; Dt 6.5). Na verdade, o mandamento "amarás o teu próximo" recebeu um significado todo especial a partir do ensinamento de Cristo sobre quem é o próximo (Lc 10.29-37). Para o Mestre, judeus, publicanos, gentios ou qualquer outro estranho, têm o mesmo valor (Cl 3.11).

Os filhos da luz

O contraste entre luz e trevas é uma figura muito usada no Novo Testamento para exemplificar a diferença entre o mundo e o Reino de Deus. Os nascidos de novo vieram das trevas para a luz (Jo 8.12), e são, eles mesmos, considerados luz (Mt 5.14). Fazendo alusão a esta mesma figura de linguagem, João explica que, uma vez salvos das trevas, se quisermos permanecer na luz, devemos amar uns aos outros assim como Cristo nos amou. Na realidade, a comunhão com os irmãos é a prova de que estamos na luz.

Evitando o ódio e mantendo-se na luz

As Escrituras deixam claro que é impossível alguém odiar seu irmão e andar na luz. Aliás, o simples fato de alguém confessar Cristo como seu Salvador e aborrecer ("odiar" na ARA) os seus irmãos, demonstra que esta pessoa está em trevas, isto é, não tem a Cristo (vv. 9,11). Quando João fala de ódio, transmite a idéia de algo habitual, que caracteriza um estilo de vida, um estado no qual a pessoa vive. Esse estado pode resultar em homicídio (3.11-15; 4.20,21).

Em relação ao pecado, os princípios da graça são mais profundos que as exigências da lei. Jesus exemplificou este ensinamento de diversas formas em seu conhecido "Sermão do Monte" (Mt 5.17-48). A lei condena o homicídio; a graça se antecipa ao expor a força motriz do homicídio - o ódio. É seguindo esta linha de pensamento que João afirma ser homicida qualquer que aborrece ao seu irmão (1 Jo 3.15). Assim, pelos padrões cristãos, não é necessário chegar a matar para ser considerado um homicida. O ódio faz parte da galeria dos pecados que levam o homem à morte espiritual (5.16). Contra este pecado, ou a fim de preveni-lo, só há um remédio: o amor. Por outro lado, aquele que ama a seu irmão, permanece na luz e nele não há tropeço (v.10). Se quisermos permanecer na luz, devemos amar uns aos outros assim como Cristo nos amou.

A demonstração comunitária do amor

João deixa claro que o amor precisa ser materializado através de ações que o demonstrem (vv.16-18). Isso aponta para a necessidade de a igreja ser conclamada a exercer o amor cristão. Fala também, como já vimos, nos tópicos anteriores, da importância de enfatizar o mandamento do amor.

A mensagem desta carta também nos edifica pelo fato de nos lembrar quem somos em contraste com o nosso estado anterior (vv.14,16). A vida do crente em Jesus necessita ser nutrida por devida gratidão a Deus pela obra substitutiva de Cristo na cruz. Esta obra vicária não só garante o perdão, como limpa o homem de toda a iniquidade (Is 53.5,6,11; Rm 4.7). A falta desse reconhecimento torna-nos incrédulos, mesmo que venhamos a dizer que somos piedosos (Rm 1.21; 2 Tm 3.1-5).

Conforme já foi dito, quando João estabelece um tempo específico, devemos levar em conta que a expressão "desde o princípio" se refere ao começo de suas vidas espirituais (3.11). À medida que o homem recebe a luz do evangelho, as trevas vão sendo dissipadas, e ele passa a amar aos seus irmãos. Com o passar do tempo e sendo constantemente exercitado, tal amor tende a ser cada vez mais intenso e visível (Rm 12.9,10; 13.8,10; Fp 1.9).

O apóstolo, ao mesmo tempo em que fundamenta seu ensino na instrução que os irmãos já haviam recebido, aponta para a responsabilidade com que os primeiros crentes conduziram o discipulado da Igreja Primitiva, formando discípulos embasados em valores éticos e bíblicos, dos quais o amor é a mola mestra (3.14).

Conclusão

Os que pregam e ensinam precisam motivar a igreja a buscar esses valores e se aperfeiçoar em todos os aspectos (Cl 3.12-17). Foi nesta perspectiva que o Senhor Jesus iniciou a formação dos seus discípulos (Mt 5.43-48), e assim devemos viver.

Colaboração para o Portal Escola Dominical – Profª. Jaciara da Silva

Copyright © 2003 - 2017 Portal Escola Dominical todos os direitos reservados.